CONCORRÊNCIA virei pra cá virei pra lá... subi o mouse pela tela do mac e depois desci rolei a página,selecionei...

Publicado por Cronicas/poesias/reflexões em Sábado, 12 de janeiro de 2019

EM ALGUM LUGAR DO PASSADO Houve um tempo em que eu acreditei que precisava de lantejoulas para brilhar. Mas o tempo (...

Publicado por Maria Da Penha Boselli em Quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019
Meu Diário
14/08/2016 13h26
NA PAZ

Nada como estar em paz.
Assisto o jogo desprovida de qualquer emoção,com a frieza de uma estátua egípcia,como aquelas encontradas nas pirâmides e palácios em ruínas.
A torcida grita,o juiz apita e os comentaristas falam sem parar,às vezes indignados com a violência do jogo.
Nada me atinge.Permaneço envolta em uma espessa nuvem de paz que me isola de qualquer reação : um sorriso,sobrancelhas arqueadas,olhos arregalados,boca escancarada,testa franzida em sinal de preocupação...nem a violência do time adversário me abala ou provoca algum estímulo.
Assistir jogo assim é como estar imune ás vibrações coletivas do mundo lá fora.Estou blindada.Estou em paz.


                                                                           Maat / SAMPA / 2016


Publicado por Maria da Penha Boselli em 14/08/2016 às 13h26
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.