Publicado por Boselli / cronicas/poesias/reflexões em Quarta-feira, 24 de abril de 2019
Textos

A QUEDA DO MACACO VELHO
( qualquer semelhança é mera coincidência )

Os bichos da floresta se reuniram para falar ao macaco velho que não lhe queriam mais como rei.
O macaco velho fingiu que não entendeu,se fez de surdo e continuo pendurado pelo rabo no galho mais alto da arvore,dando ordens a alguns súditos que ainda o obedeciam.
Os animais ficaram muito contrariados,mas perceberam que o galho estava podre e qualquer hora ia se partir.Sabiam também que devido à altura do galho,o tombo do macaco rei ia ser feio. Então se puseram a esperar pacientemente pelo momento da queda real. Ia ser um espetáculo único ver a queda do macaco velho teimoso.
Alguns animais escondidos nas moitas estavam até cogitando um novo rei para substituir o macaco velho teimoso. A notícia de que o macaco rei preferia se espatifar no chão do que renunciar,correu com tal rapidez que vieram animais de todos os reinos e quadrantes da floresta para assistir a cena da queda real de camarote.
Muitos celulares estavam voltados para o galho podre onde o macaco velho balançava.
Euforia geral ...pipoca,sorvete,cachorro quente...a bicharada estava em êxtase...público lotado !
Mas aí...aconteceu o inesperado
😳...apareceu uma zebra ( que ninguém sabe de onde veio e que ninguém nunca viu ) que se comportou de maneira estranha e reivindicou cadeira vip deixando a macacada e demais bichos bastante confusos e constrangidos na situação.O comportamento da zebra era suspeito e deixou o pessoal meio que " intimidado "
E o macaco velho balançando lá no alto ...no rosto um sorrisinho sarcástico e permanente,como quem diz : eu cáio e me fú, mas vocês também !
Maria da Penha Boselli* 2017
Maria da Penha Boselli
Enviado por Maria da Penha Boselli em 12/06/2017
Alterado em 13/06/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários